domingo, 26 de junho de 2016

Zadar - Croácia

    A atmosfera especial da cidade de Zadar além de ser muito agradável para passear e dar uma „turistada“, guarda uma herança de 3.000 anos de história. São igrejas, torres e casas de pedras que retratam a época medieval, além de ruínas romanas.
Igreja de São Donato e as ruínas do que um dia foi um Forúm Romano


    Como em quase todas as cidades velhas, os pontos turísticos se concentram sempre no centro histórico. E em Zadar não é diferente, em poucas horas você vai percorrer toda a parte velha que não é nada grande em tamanho, mas gigante em beleza.

    Para chegar até ele você vai atravessar uma ponte até chegar ao portão Lion, que faz parte de uma muralha com paredes históricas que até hoje cercam a cidade antiga. (Essa é a entrada principal). Em alguns lugares é possível chegar de carro, mas são poucos. No geral andar aí é privilégio para pedestres.

Poços para retirar água

    Uma característica bem predominante que percebi em Zadar e em todas as outras cidades croatas que conheci, foi que todas possuem pedras claras e polidas no chão de seus centros históricos, as pedras são lindas e brilham muito, lembram placas de mármore. Também vale ressaltar que todas as vielas são muito limpas e bem cuidadas.

    Zadar é facilmente explorável em um único dia, talvez até menos que isso. Mas o melhor da cidade acontece à noite, sugiro para quem tem pouco tempo, chegar depois do almoço conhecer o centro histórico e ao entardecer se dirigir à beira do mar, para os monumentos mais famosos da cidade:

O Sea Organ:
    É um órgão feito por várias escadas que se estendem por cerca de 70 metros ao longo da costa. É composto por 35 tubos de diferentes tamanhos e diâmetros e sobre esses tubos existem assobios que desempenham 7 acordes de 5 tons. Acima do canal, as escadas de pedra foram perfuradas para o som sair; O mar é quem faz todo o trabalho, empurrando o ar e fazendo o orgão tocar.


    O projeto foi feito pelo arquiteto Nikola Basic e com a ajuda de vários especialistas. Infelizmente não o ouvi tocar, não sei se tinha pouco vento no dia, se a maré estava muito cheia, ou se simplesmente estava quebrado; o fato foi que ele não tocou.
    Felizmente não deu nem tempo de ficar triste, o pôr-do-sol estava tão lindo e intenso que eu não conseguia pensar em outra coisa. Tinha uma multidão de pessoas sentada no calçadão para contemplar e fazer fotos do "mais lindo por do sol do mundo" segundo os croatas.


Esta foto está sem filtros e sem efeitos, está retratando exatamente a cor do céu naquele instante. Incrível!
    Quando o sol desapareceu no horizonte, todos ali presentes o aplaudiram, causando uma sensação única de bem estar, que nos faz perceber e agradecer tantas maravilhas que existem nesse mundo.
Bom, o sol sumiu, mas o céu ficou com tons de laranja por toda a parte. Indiscutivelmente lindo!

Monumento de saudação ao sol:
    Fica do ladinho do Sea Organ, são 300 placas de vidro e LED de múltiplas camadas que formam um círculo no chão com 22 metros de diâmetro. Essas placas absorvem a energia solar durante o dia, para a noite fazerem um verdadeiro show.


    Passei horas ali sentada apreciando o céu laranja com luzes de LED que pareciam estar dançando ao ritmo das ondas. Quanto mais escuro, mais lindo fica e menos pessoas tem. Como já era final do mês de maio, escureceu só depois das 22:00 horas, fiquei até meia noite e depois retornei para o centrinho.
    Foi outra surpresa, Zadar tem uma vida noturna bem agitada, são muitos barzinhos, lindos restaurantes, música ao vivo e muito movimento. Várias lojas ainda estavam abertas para os turistas fazerem a festa.
    A verdade é que fiquei mais encantada com a cidade a noite do que durante o dia. Passear beira mar e tomar uma cervejinha em um dos lindos bares de Zadar é uma das melhores coisas que você vai fazer na cidade.
Esta foto foi tirada depois das 23:00 horas, e o céu ainda estava nesses tons de laranjas.


video

    Para dizer que nada foram flores, em alguns pontos da cidade tinha um cheiro muito forte de esgoto, muitos restaurantes tampavam os bueiros das ruas para o cheiro não subir até a área das mesas, mas não adiantava muito, e comer com odor de esgoto não tem como. Para piorar a situação no banheiro do quarto no hotel também estava fedendo. Não sei se a cidade estava passando por problemas nas tubulações; se estava em reforma, ou se o cheiro era normal mesmo. Foi a única parte ruim da cidade felizmente. 

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Trogir - Croácia

    Trogir é um espetáculo de cidadezinha histórica situada no centro da região da Dalmácia. A cidade croata tem 2300 anos de tradição urbana contínua. Sua cultura foi criada sob a influência dos gregos, depois dos romanos e venezianos.


Fortaleza de Camerlengo do século XV


     O centro histórico de Trogir é um dos mais bem preservados de toda a Europa Central. No ano 1997 foi inscrito na UNESCO como Patrimônio Mundial. Se trata uma ilha situada entre o continente e a ilha maior de Clovo, composto por ruelas bem estreitas e construções em pedra. Cada cantinho tem um charme especial. 
A catedral é a construção mais alta do centro histórico, é possível subir a torre e ter uma completa vista da ilha.





    Depois de passar do famoso portão de entrada, as ruas formam um verdadeiro labirinto, a circulação é só para pedestres, carros não entram. É tudo muito limpo e bem cuidado. 


    Mas o melhor mesmo de Trogir é sentar em um dos vários restaurantes do grande calçadão (de frente para o mar) degustar um prato local de frutos do mar e experimentar um cerveja da região ou um bom vinho. A atmosfera da orla é muito agradável e relaxante.

    Para conhecer a cidade não é preciso mais que um dia, (em algumas horas também seria possível) para quem está em Split é um ótimo bate-volta, apesar de achar que é bem melhor dormir em Trogir do que na agitada Split.
    Os estacionamentos custam em média 20 Kunas a hora. Deixamos no estacionamento da marina e aproveitamos para dar uma caminhada entre os muitos iates luxuosos que estão por lá.







Fonte:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Trogir



quarta-feira, 1 de junho de 2016

Lagos de Plitvice - Croácia

    De todas as atrações turísticas da Croácia, os Lagos de Plitvice sem dúvidas será a sua melhor escolha. 
    Se trata de um parque de quase 30.000 hectares, (o maior da Croácia) com 16 lagos dispostos em magníficas cascatas.  
    Os lagos são famosos por suas cores distintas, variando de azul para verde, cinza ou azul. As cores mudam constantemente, dependendo da quantidade de organismos na água e o ângulo de luz solar. 
    A área do parque é o lar de muitas espécies de animais como o urso pardo europeu e de uma flora bem diversificada. É até difícil de acreditar que existe um lugar tão incrível quanto este. 







Você vai precisar: 
    Como o parque é enorme, não é em todo canto que você vai encontrar restaurantes e banheiros. Quando os avistar é melhor aproveitar.
    Então para fazer esse passeio você vai precisar de: água, muita água, protetor solar, repelente (há muitos insetos por lá), comida, máquina fotográfica com muita memória, tênis, roupa confortável para andar muito e tesoura sem ponta. (hahaha... a tesoura é brincadeira, é que lembrei da minha infância do programa da Eliana).  

Dentro do parque: 
    Existem 3 entradas na parque, a entrada 1, a 2 e a 3. Depois de comprar o ticket do parque você vai avistar placas com possíveis rotas que você pode seguir e o tempo que vai levar para percorrer cada uma delas. 
    Nós acabamos dando azar, choveu demais nos últimos dias e o passeio pelos lagos inferiores que são os mais lindos estavam interditados por estarem alagados. (mas minha tristeza durou pouco (= ) 
    Como nós chegamos cedinho e estávamos bem empolgados decidimos não seguir rota nenhuma, queríamos ver tudo, entramos pela entrada 1 e subimos tudo pelo lado esquerdo e depois descemos tudo pelo lado direito. Andamos de barco, de trenzinho (que é um ônibus na verdade) e tudo o que tínhamos direito. Os barcos e o ônibus são elétricos para não poluir o parque, os croatas são extremamente rigorosos com a preservação desse paraíso. 

    Atrás do ticket tem um mapa do parque, se você achar muito pequeno, é possível comprar um maior por 30 Kunas. Mas com o pequeno dá para se virar tranquilo. 

A melhor época para visitar o parque: 
    Antes de chegar ao parque eu dei uma boa lida em blogs de viagens para pegar algumas dicas e todos falavam do sol que era insuportável e das filas quilométricas. Eu fui no final do mês de maio, e não peguei filas, de manhã cedinho era fresquinho, depois esquentou muito e com aquela humidade toda proporcionada pelas cachoeiras você vai se sentir cozinhando longe da sombra. E fazia só 24 graus. Imagina isso na alta temporada calor de 40 graus e fila em todos os cantos. Não acho uma boa ideia não, além de ser muito mais cansativo.  
    O parque também é aberto no inverno, onde tudo fica branquinho de neve e grande parte das cachoeiras congelam, confesso que fiquei bem empolgada para ver, mas não sei se aguentaria ficar tanto tempo andando na neve. 





Quanto tempo você vai precisar: 
    Passamos 8 horas no parque, mas isso depende da disposição de cada um, é possível fazer em menos tempo, mas obviamente vai conhecer menos do parque. Nós andamos muito e aproveitamos tudo. Lembra que eu falei que os lagos baixos estavam com o acesso fechado por estarem alagados? O pessoal do parque improvisou umas cercas de madeiras para bloquearem a passagem, mas estas foram facilmente puladas pelos turistas, e não eram poucos que faziam isso, eram muitos. Aproveitamos e fomos também, e foi uma ótima escolha, é o lugar mais lindo do parque. 
        Depois descobrimos que eram só alguns metros da passarela que estavam alagados, eles estavam mesmo era reformando algumas trilhas, mas por sorte não vimos ninguém trabalhando.  
  


Sobre as cachoeiras... 
    São muitas, uma mais linda que a outra, as maiores é possível chegar bem pertinho, mas prepare-se para tomar um banho! Nada de chapinha meninas! Não é possivel fotografá-las inteiras de tão grandes que são, até mesmo para ver, você acaba conhecendo por partes. 







Sobre as trilhas... 
   Todas sinalizadas, acredito ser impossível de se perder; e só não sair fora delas. Por cima dos lagos são trilhas de madeiras, algumas delas passam por cima de cachoeiras; no resto do parque é na terra mesmo.  

As placas indicam as letras das rotas que você pode escolher para seguir
Essa aqui deu medo de passar



    Pode levar cachorros, vimos muitos lá, porém não tem acesso para deficientes físicos, o que é uma pena. Algumas famílias arriscaram levar carrinhos de bebê, mas além de carregar o bebê tiveram que carregar o carrinho no colo também, são muitos degraus e trilhas estreitas com pedras soltas e raízes de árvores salientes. 

    As trilhas que sobem para a parte mais alta do parque, são as trilhas onde têm os mirantes, é bem cansativo, mas a vista compensa.  

*** O melhor mirante fica do lado de fora do parque, e o descobrimos por acaso, depois de passar pela parte interditada do parque, subimos muito, trilhas e degraus, e acabamos saindo fora do parque, sim, ele é aberto, muita gente entrava por ali sem pagar. Tem inclusive uma placa avisando que você está fora do parque, passamos por uma ponte de madeira e voltamos para uma pequena trilha. Poucos minutos depois encontramos a paisagem mais linda do mundo! Um espetáculo da natureza somente para nós! 

    Ao retornarmos para o parque esbarramos com um guarda que solicitou os tickets para saber se não éramos penetras.  Ele também nos questionou o motivo de estarmos em uma parte do parque que estava fechada; o marido deu aquela desculpa clássica de que não sabíamos e ficou por isso mesmo. Ainda bem!

Valor da entrada: 
Nos meses de Janeiro, Fevereiro, Março, Novembro e Dezembro custa 55,00 Kunas por pessoa 
Nos meses de Abril, Maio, Junho, Setembro e Outubro custa 110,00 Kunas por pessoa 
Nos meses de Julho e Agosto custa 180,00 Kunas por pessoa 

*Crianças, estudantes e grupos com mais de 15 pessoas pagam menos. 
** Se comprar o ticket para 2 dias também fica mais barato. 
A tabela completa com todos os preços está aqui. 
*** O preço do bilhete inclui o uso do barco elétrico no lago Kozjak e do ônibus elétrico. 

Estacionamento: 
Vai depender de quanto tempo ficar na parque, custa 7 Kunas a hora.


Fonte:
https://en.wikipedia.org/wiki/Plitvice_Lakes_National_Park